Qual o segredo dos agilistas para transformar uma empresa?
30 de julho de 2017
Exibir tudo

DE APRENDIZ A MESTRE DE SOFTWARE: UMA GRANDE JORNADA

ARTESANATO DE SOFTWARE

 

 

Sempre enxerguei o trabalho de software como algo artesanal, que precisa ser feito de coração e alma para se entregar algo especial que será útil para resolver, facilitar ou atender uma necessidade de alguém. Na última semana quando pensava no contexto que iria usar para essa entrevista com Matheus, deparei-me com o Manifesto pelo Artesanato Ágil de Software, que declara o que os nossos desenvolvedores reforçam tanto sobre suas funções, ele instiga ir mais além do manifesto ágil, para facilitar fiz um de/para ilustrando os dois manifestos:

 

 

 

1. Quais os principais desafios em sua função na área de desenvolvimento de software?

Estar constantemente apto a aceitar novas formas de pensar e debatê-las com meus colegas de trabalho; Evoluir o trabalho em equipe; Aprimorar o conhecimento já adquirido, que uso no meu dia-a-dia; Baseado em pessoas mais experientes no ambiente de trabalho (ou fora do trabalho), procuro estudar novos métodos, novos paradigmas de desenvolvimento, e consequentemente novas linguagens de programação.

2. Como é o seu ambiente de trabalho, espaço físico e [in]formalidades?

No meu ambiente de trabalho o espaço físico está adequado ao que preciso para trabalhar; Trabalho na equipe de migração, mais especificamente na parte de equalização e conversão dos programas essenciais para que o cliente possa migrar o respectivo módulo que está em nossas mãos no momento.

3. Qual é sua principal dica ou atalho de produtividade no dia a dia?

Se eu não estou conseguindo sair do lugar naquilo que estou fazendo, procuro, primeiramente, pela ajuda de alguém da minha equipe ou do restante dos desenvolvedores presentes. Do contrário, procuro ajudar as pessoas que precisam de ajuda.

4. O que o ágil trouxe de melhor em sua forma de trabalhar?

Organização; Se tem algum problema, façamos o necessário para resolvê-lo.

5. Que dicas você daria para quem está começando nessa área de desenvolvimento?

Deixe-se instigar pelas falhas que acontecem no começo da sua carreira; Não fique satisfeito com informações rasas – procure sempre se aprofundar nos assuntos; No ambiente de desenvolvimento (ou em qualquer ambiente que tenha a colaboração de mais pessoas) não tenha vergonha de pedir ajuda; Não fique no “acho que é por causa de ….” ou “acho que é assim…” o Google possui muitos resultados relevantes, com certeza podem sanar suas dúvidas; E novamente: não tenha medo de pedir ajuda às pessoas que estão próximas a você; Aprenda a fazer certo e desenvolva sua autonomia com o passar do tempo. O mercado continua insistindo em pessoas com experiência, você não vai conseguir a “carreira dos sonhos” se não tiver experiência e propriedade para exercer sua função.

6. Quais as principais mudanças em sua rotina e fluxo de trabalho no último ano que lhe agregou muito e quais ainda precisam ser melhoradas para você se sentir mais satisfeito?

O que agregou muito: Organização das equipes; Redução significativa das interrupções; Autonomia cedida aos membros das equipes para que, com o passar do tempo, estas possam encontrar a melhor maneira de solucionar problemas. O que pode ser melhorado: Como estamos em fase de migração, significa que as demandas que entrarem serão bastante monótonas, e o trabalho a ser feito será repetitivo e cansativo. No entanto, entrada de demandas que não são somente focadas no ERP poderia acontecer nesse time no futuro.

7. Sua área de atuação sofre transformações contínuas por conta das inovações tecnológicas, em sua visão para os desenvolvedores de software quais foram as mais impactantes?

A necessidade de estar apto a usar diversas linguagens de programação; O uso (e a constante mudança de uso) de frameworks Javascript no front-end das aplicações web e mobile; O constante crescimento do paradigma funcional no mercado, e a vontade das equipes em optar por linguagens funcionais; A vontade das empresas migrarem para um método àgil de desenvolvimento implica em maior procura por desenvolvedores (mais especificamente pessoas) com experiência; E algo que particularmente enxergo como impactante a alguns anos já: Se as pessoas sabem como trabalhar em equipe, se não se acomodam em suas opiniões e formas de pensar, mas sim buscam entrar em um consenso, também se essas pessoas tem a motivação diária de aprender coisas novas, não importa a linguagem/ferramenta utilizada no desenvolvimento.

8. Que conselhos você daria ao seu “eu” de 5 anos atrás?

“Seja relevante com a zoeira.”; “Fale apenas o necessário.”; “Continue o bom trabalho que você já está fazendo!”

9. O que mais causa incomodo e irrita-o em sua convivência com as pessoas no trabalho?

Se é alguma demanda que todo mundo precisa estar focado e alguém tá disperso ou não tá sintonizado com o que os outros estão fazendo, quando na verdade deveria estar, eu me incomodo bastante. Não fico irritado com as coisas que falam, simplesmente ignoro e não abro margem para discussão, somente interfiro quando se refere questão técnica que alguém esteja sendo teimoso e deveria ouvir a opinião de quem está certo.

10. Como você se vê profissionalmente daqui 3 anos?

Um desenvolvedor com bastante experiência no desenvolvimento para plataformas web e mobile, com maior capacidade de lidar com outros aspectos do desenvolvimento de software, nos quais, agora, não estou tão inteirado como deveria (UX, testes de integração, etc.)

11. Pensando em seus hábitos e hobbies atuais, o que você considera fundamental para equilibrar sua vida profissional e pessoal?

Tudo o que possa aumentar o meu bem estar é uma forma de equilibrar ambos os lados. Hoje, essas formas são: sair com meus amigos, praticar atividades físicas, estudar instrumentos musicais e ler (bastante).

12. Qual seu propósito de vida? Continuar no que estou fazendo hoje para que eu possa fortalecer a lista de profissionais competentes que estão na ativa; Conhecer cada vez mais novos lugares e mais pessoas incríveis, como os amigos e colegas de trabalho que já conheço.

13. Como você busca se desenvolver e o que mais gosta de estudar?

Busco estudar programação nas horas vagas durante a semana, também mantenho um tempo fixo para estudar música todos os dias. Aprender instrumentos musicais é, com certeza, meu assunto favorito. Na minha opinião é a melhor forma de procurar estar bem consigo, além de tudo um excelente exercício para a coordenação motora.

 

 

Pessoas incríveis tem atitudes incríveis seja qual for a situação, esse garoto realmente é um grande desenvolvedor que sacode o mundo Systêxtil como diz sua frase preferida da musica Tente Outra Vez de Raul Seixas: “Queira. Basta ser sincero e desejar profundo. Você será capaz de sacudir o mundo.”

Deixe uma resposta