Desvendando meu "malvado" favorito

A repercussão do progresso de pessoas que gostam de fuçar e fazer descobertas me leva a pensar que, de fato, é nosso dever compartilhar informações


19/08/2014
A repercussão do progresso de pessoas que gostam de fuçar e fazer descobertas me leva a pensar que, de fato, é nosso dever compartilhar informações. Para tanto, temos uma novidade em nosso informa, a sessão “De cara com o ERP”. Nela traremos a cada edição uma descoberta para aumentar sua percepção na usabilidade de softwares ERP. Tem alguns filmes que “te pegam de jeito”, às vezes sem nenhum motivo especial. Por um detalhe, uma interpretação ou mesmo uma sacada que faltava para melhorar algo. Dali em diante você vira fã e passa a esperar por uma reprise ou mesmo uma continuação. Esperamos que vocês curtam as cenas preparadas especialmente para quem é fã de conhecer tudo sobre o seu melhor aliado, se você conferir nossa primeira cena vai ver que é, e torçam, comigo, por mais uma sequência a cada edição. Cena I – Desvendando meu "malvado" favorito Você já ficou de cara com um ERP? Pelo menos já ouviu falar, certo? Acredito que sim. Você realmente o conhece ou acha que ele seja um grande sistema complexo e cheio de subsistemas aterrorizantes? Os ERPs (Enterprise Resource Planning) surgiram como ferramenta de software para controlar todas as necessidades de gestão das empresas. Considerando sua plenitude ele é muitas vezes caracterizado como um grande malvado dentro da organização, o que muitos não sabem é que dentro deste grande e gigantesco sistema possui o segredo para tornar sua empresa eficaz. Vejamos, a parte importante de uma empresa são os produtos que ela produz, sem produtos não tem empresa. Mas por que muitas empresas que possuem ERPs eficazes continuam usando planilha Excel na hora de controlar sua empresa? Para realizar uma boa gestão é necessário informação e no caso da produção tem um agravante maior que inviabiliza a gestão se não for considerado: Tempo Real. Diferente das outras gestões que ocorrem na indústria, que são atemporais, isso não vale para a produção, as coisas estão acontecendo agora e necessitam de decisão já. É claro que histórico é importante, mas para problemas futuros e esses dois momentos – passado e futuro – não ajudam, na maioria das vezes o agora. Não tem como, um sistema para gerenciar a produção tem que estar preparado para trabalhar em tempo real e precisa ser muitas vezes em segundos ou até menos. O tempo real é o principal desafio que torna o ERP um grande aliado. O seu ERP Systêxtil, por exemplo, ele consegue te ajudar em todo o processo produtivo até o backoffice, inclusive o planejamento de curto, médio e longo prazo, suportando todo o crescimento da empresa, gerando valor em todos os aspectos, reduzindo custos, melhorando os leads de entrega, aumentando a qualidade através da eliminação de perdas, ou seja, usando menos material, necessitando de menos investimento, usando menos estoque, consumindo menos espaço e usando menos operação. A mudança de cultura é a primeira e talvez a maior causa de insucesso de tentativas de implantação do ERP, e muitas vezes por não saber como torna-lo seu grande aliado deixa-o de lado. A tecnologia se concentra em uma base de dados única, pois todos os seus módulos estão num único software. O software integrado é a parte que registra e executa cada evento a partir de uma única entrada para processamento e ocorre a distribuição da informação para todos os usuários do sistema, de acordo com o nível estratégico, tático e operacional em que se encontrem. Para tanto, usa-se critérios de segurança em tempo real e com qualidade da informação. A tecnologia ERP e seus recursos, ao processar os dados operacionais, possibilitam a integração de suas informações interdependentes. Como exemplo dessa integração, pode-se relatar o atendimento de um pedido, que considera e gerencia o processo e a capacidade fabril, a relação com os demais produtos em produção, a mão-de-obra necessária, o fluxo de caixa previsto e real, o atendimento de prazos, a análise dos clientes e dos fornecedores e ainda, o grau de risco de uma operação. O ERP é a espinha dorsal do negócio. Permite que a empresa padronize seu sistema de informações. Dependendo das aplicações, o ERP pode gerenciar um conjunto de atividades que permitam o acompanhamento dos níveis de fabricação em balanceamento com a carteira de pedidos ou previsão de vendas. O resultado é uma organização com um fluxo de dados consistente que flui entre as diferentes interfaces do negócio. Na essência, o ERP propicia a informação correta, para a pessoa correta e no momento correto. Decisões que envolvem análise de custos, por exemplo, podem ser calculadas com o rateio de todos os custos na empresa com melhor performance do que com o levantamento parcial em cada unidade. Além de evitar a conciliação manual das informações obtidas entre as interfaces dos diferentes aplicativos. Um sistema integrado oferece a possibilidade de melhoria de relatórios, fidelidade de dados, consistência e comparação de dados, devido à utilização de um critério único em todas as atividades da empresa. Impulsionado pelo processo de reengenharia do negócio, a implementação do ERP reduz redundância de atividades na organização. Com departamentos utilizando aplicativos integrados e compartilhando a mesma base de dados, não existe a necessidade de repetição de atividades tais como reentrada de dados de um aplicativo para outro. Estatisticamente, em sistemas não integrados, uma informação pode residir em até 6 diferentes lugares. O sistema ERP identifica o tempo, como uma variável crítica de restrição, é a informação que norteia a tecnologia dos negócios e a tecnologia da informação. A redução do tempo de ciclo é obtida via minimização na obtenção e disseminação das informações. Decisões ao longo dos processos da empresa também são possíveis graças ao ERP. Isto resulta em economia de tempo, domínio sobre as operações e também a eliminação daquelas supérfluas, as quais o cliente não paga. Reconhecendo as necessidades das empresas em reduzir o tempo de resposta ao mercado de produtos e serviços, os sistemas ERP são desenvolvidos para responder instantaneamente o surgimento de novas necessidades não previstas. As operações podem facilmente mudar ou expandir sem romper com as atividades em curso. Daí, o tempo para desdobrar e otimizar os processos é severamente reduzido. Enfim, se você perguntar ao responsável pelas áreas de TI das empresas, eles saberão contabilizar as horas ou dias de desespero que poderão ser evitados com um sistema integrado, afinal, o ERP pode parecer assustador, mas se você conhecê-lo verdadeiramente e usá-lo da melhor forma ele se tornará seu favorito. Espero ter contribuído com vocês e até próxima edição!

Inscreva-se para receber novidades